Allahu Akbar

fe.jpg

Mês que vem começa o Ramadã ou Ramadan nos países islâmicos. Ele acontece no nono mês do calendário islâmico que é o mês em que o Alcorão foi revelado aos muçulmanos – “O mês do Ramadão foi o mês em que foi revelado o Alcorão, orientação para a humanidade e evidência de orientação e discernimento” – Alcorão 2:185. É o mês do jejum e os ânimos começam a se exaltar desde já por aqui. Se a devoção dos muçulmanos à religião já é grande, agora eles irão além das cinco orações por dia.

No islamismo, há 5 pilares básicos que você deve seguir para ser muçulmano:

  1. Adorar a um único Deus
  2. Orar 5 vezes por dia: na alvorada, ao meio do dia, no meio da tarde, no pôr-do-sol e a noite
  3. Ser caridoso – doar aos mais pobres ou Pagamento do Zakat, mas somente quem tem dinheiro para isso
  4. Jejuar todo mês de Ramadan
  5. Peregrinar à Meca pelo menos uma vez na vida – somente os que têm saúde e dinheiro para isso

Ou seja, se você não cumprir um dos cinco pilares, você não segue a religião como deveria. Por aqui, sempre ouvimos todos falarem que Deus é um só para todos, independentemente da religião. Os muçulmanos são pacíficos e acolhedores e os extremistas que vemos fazendo terrorismo por aí são uma minoria rebelde que não faz jus ao seu povo. Eles te recebem e te respeitam você sendo católico, judeu, budista etc. Tanto é que em algumas mesquitas há três ou cinco grandes bolas em suas torres. Quando há três, é uma referência às três religiões monoteístas: catolicismo, islamismo, judaísmo. Quando há cinco, é uma referência aos cinco pilares da religião.

E aqui as orações são levadas a sério pela maioria. Há tepetinhos em várias calçadas para as pessoas pararem ali mesmo para rezar, no meio da rua. Ou há quem carregue o seu e possa fazer isso onde quiser. Se alguém não pode rezar na hora em que há a chamada nas mesquitas, pode rezar depois. Já vi muita gente abandonar o posto de trabalho imediatamente para orar. Minha professora de francês é uma delas. Sai da aula todos os dias, no chamado das 20h, mais ou menos, para orar rapidinho, cerca de 5 minutos.

Eu sou católica, com forte influência espírita, com um pé em algumas coisas do judaísmo e o outro em algumas coisas do islamismo,  crente em santos, entidades, elementos da natureza, ou seja, acredito em muita coisa e há algum tempo, vejo o maquiador Sal Moretti, que sigo nas redes sociais, falar da oração da madrugada. Ele acorda de madrugada para orar. Um dia, mandei mensagem para ele perguntando o por quê disso, e ele me explicou que há uma passagem bíblica que diz: “Eu amo os que me amam, e os que de madrugada me buscam me acharão.” (Pv. 8.17). Mais do que isso, como Sal me disse, é um ato de esforço, já que interromper o sono é um grande sacrifício para a maioria.

Há algumas teorias que dizem que esse provérbio, na verdade, quer dizer que “quem procura Deus cedo, logo no começo, antes do problema” e por isso o uso do termo “madrugada”, que é o que antecede um novo dia. Porém, é uma mensagem forte.

Sendo assim, como todos os dias eu acordo às 5h da manhã com o primeiro chamado para a reza muçulmana, já que a torre da Mesquita é praticamente em cima da minha cama, e tenho me mantido acordada para orar junto. A minha própria oração, do meu jeito, e depois eu volto a dormir. Não que minha vida tenha mudado, mas eu realmente sinto uma paz grande quando ouço esse chamado e quando faço minha oração junto. Acho que é uma corrente que se forma, sabe?  (Obrigada, Sal! 🙂 )

Voltando ao Ramadan, participam desse jejum todos os homens a partir de 14 anos, mais ou menos, todas as meninas a partir do primeiro ciclo menstrual, e todos os homens, mulheres e idosos com saúde e com possibilidades de jejuam, exceto grávidas e lactantes. O jejum deve ser feito da alvorada ao pôr-do-sol, sendo proibidos qualquer tipo de alimentos e líquidos, além da relação sexual. É um momento tido como de purificação. Todos se dedicam 100% a Deus, a sí, à família. Há uma refeição que é feita antes do sol nascer e quando o sol se põe, todos podem comer mesmo antes da oração. Após essa refeição da noite, a maioria vai às mesquitas ou se reúnem com amigos e família para orar. Além disso, o esquema de trabalho muda, os horários das lojas mudam, os restaurantes podem até estar abertos, mas não servem comida aos muçulmanos, apenas aos turistas. É também a fase de férias escolares. Eu não recomendo vir ao Marrocos nessa época… rs

Como tudo na vida, há quem não cumpra o jejum e coma escondido. Escondido dos outros, obviamente para não ser julgado, mas não de Deus, como falam aqui, já que ele tudo vê. Mas caso o “infrator” seja descoberto, ele tem que jejuar por 60 dias seguidos. E aqueles que não podem cumprir o jejum por motivo de viagem ou algo assim, deverá o fazer assim que possível. E para os que preferem ser mais sinceros, há a opção de viajar, se afastar do país e das “obrigações” e ir curtir férias em algum outro lugar.

Na noite do 26º para o 27º dia do Ramadan é comemorada a noite em que o Profeta Maomé recebeu a primeira revelação do Alcorão pelo Anjo Gabriel, e é chamada de Laylat Al Kadr. Acredita-se que nessa noite todas as súplicas são atendidas, todas as orações ouvidas.

Já ao término do Ramadan há a celebração chamada Eid al-Fitr, que é um dia de festa, em alguns lugares até três dias, em que todos colocam roupas novas, há comida em abundância para todos, incluindo os mais pobres, que recebem doações. É a celebração também do mês Shawwal, o décimo mês do calendário islâmico.

E para finalizar, 70 dias após o término do Ramadan há a Eid Al-Adha, que é a festa que sucede a realização do Hajj, a peregrinação à Meca, também conhecida como Festa do Sacrifício ou Festa do Carneiro. A festa acontece em referência à passagem que conta que o Profeta Abraão teve um sonho que deveria sacrificar seu filho Ismail em nome de sua devoção por Deus. Decidido a fazer isso, tamanha sua crença me Deus, ele avisou seu filho, que muito fiel à sua crença também, aceitou a situação. Abraão afiou a faca e posicionou-a no pescoço de Ismail, mas ela não cortava. Então, o Anjo Gabriel, enviado por Deus, disse que a submissão de Abraão estava aceita, já que ele iria fazer um ato doloridíssimo em nome de Deus e mandou que ele substituísse Ismail por um carneiro. E assim deu-se a Festa do Sacrifício que é para os muçulmanos como o Natal é para os cristãos.

Há alguns anos, participo dela no Brasil, com meu sogro, que é marroquino e mora há mais de 30 anos no Brasil, e dizem que ele faz um carneiro maravilhoso. Eu não sei se é realmente delicioso porque eu “cometo o pecado” de não comer já que não como carne vermelha. Eu me sinto como se não comesse panetone no Natal, mas como em todas as religiões, o importante é celebrar a fé, não é?

2 comentários Adicione o seu

  1. Carol Hess disse:

    Estou adorando tudo! Você vai jejuar? Fiquei tão interessada, que deu vontade de tentar! Rsrsrs

    Curtir

    1. Não vou, não! Poderia até tentar por um período do dia, que é mais executável, mas o dia todo não dá pq será numa época que anoitece às 20h30, ou seja, serão 13h no mínimo por dia…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s